Visões Femininas do Amor

"Grande afeição de uma pessoa por outra. Afeição, grande amizade, ligação espiritual. Carinho, simpatia. Desejo sexual". Assim é definido o amor no dicionário. Mas como explicar um sentimento tão complexo? Muitos escritores, poetas, filósofos tentaram, arduamente, traduzir o intraduzível em palavras. Camões, por exemplo, afirmou que o "amor é fogo que arde sem se ver / É ferida que dói e não se sente / É um contentamento descontente / É dor que desatina sem doer".



Já o escritor português Camilo Castelo Branco (1825 - 1890) disse que "o amor é a primeira condição da felicidade do homem". As definições são muito complexas e diferentes, mas será que a compreensão deste sentimento muda ao longo do tempo? Para tentarmos responder a essa questão, selecionamos mulheres de diversas faixas etárias e histórias amorosas bem distintas para tentar entender o que é o amor.






Acordando para o amor




Ah, a juventude! Época de tantas descobertas, conflitos, dissabores e muitas ilusões. Nada como ter vinte e poucos anos e poder sonhar e desenhar o futuro. Nesse comecinho de vida temos mais expectativas e devaneios que verdades e constatações, principalmente acerca deste sentimento. Foi assim com a jornalista Juliana Resende, 25 anos. Depois de sete anos e meio de relacionamento, ela já consegue definir e explicar o amor de uma forma diferente. "No início, acho que a visão é mais caricata, como se fosse de novela. Você imagina que terá sempre romance, sonhos compartilhados, que o homem será perfeito. Hoje acho que o amor não precisa ser intempestivo, ele, na verdade, é mais calmo, mais companheiro", diz.





“Já sofri muito, mas amar não é sofrer. A gente espera muito do outro e acaba se frustrando. O certo é não ter expectativas.”







A jornalista acha que existem diversas formas de amar e, talvez, a mais consistente seja com base na amizade. O que Juliana aprendeu, mesmo com a tenra idade, é que o outro não precisa ser exatamente como a imaginação projeta, mas sim uma pessoa com interesses comuns. Ela, entretanto, tem dúvidas se realmente vai encontrar esse amor. Pessimismo? "Não, realismo. A relação homem e mulher se transforma muito com o tempo", afirma ela, que, definitivamente, não acredita em alma gêmea.





Mesmo com essa visão, Juliana percebe que as mulheres de sua idade continuam tentando encontrar o grande amor, ainda que se escondam sob a imagem de mulher independente e bem-resolvida. "Elas continuam procurando, mesmo estando felizes independentes. Ainda lhes falta isso", afirma a jornalista, atualmente solteiríssima.







Menos sonhos, mais realidade





A gerente de marketing Alessandra Orrico, 32 anos, compartilha a opinião de Juliana: existem várias formas de amar e ela é um bom exemplo disso. Aos 19, teve o primeiro amor, mas hoje admite que "foi mais paixão que amor", porque na época idealizava muito a relação e o sentimento. Chegou a ficar noiva do rapaz, mas aos 23 anos, já à beira do altar, jogou tudo para o alto por causa de traições e mentiras. "Já sofri muito, mas amar não é sofrer. A gente espera muito do outro e acaba se frustrando. O certo é não ter expectativas", ensina.






Tempos depois do noivado, viveu um romance com um grande amigo. Os dois não quiseram assumir nenhum tipo de envolvimento, mas Alessandra garante que existia amor. "Era uma relação mais adolescente, que você sabe que não é para sempre. É a curtição do momento. Só que ele é meu amigo e o sentimento é distinto, mas existe", explica. Já com atual namorado, com quem está há sete anos e pretende casar, Alessandra afirma que a relação é mais madura, sadia, fraternal. "O Alex é um cara que eu não quero perder nunca, que eu confio e quero envelhecer juntinho", derrete-se.







Mesmo mais descolada em assuntos amorosos, Alessandra acredita em amor eterno, sim, senhora! E diz que o relacionamento perfeito é aquele que o companheiro está junto para tudo, apoiando em todas as decisões. O principal, segundo ela, é que ambos não criem expectativas em relação à união, nem busquem no outro algo que ele não pode ser.







Alessandra garante que é muito bem-resolvida sobre o tema. Acredita que as mulheres balzaquianas, de uma forma geral, não conseguem lidar bem com a situação. "Mulheres de 30 são bem complicadas. Algumas são mais realistas e param de idealizar. Outras não, ainda querem o príncipe encantado. Eu estou no grupo das bem-resolvidas. Me desiludi muito cedo", conta.




Quem disse que mesmo depois de muita experiência e algumas frustrações as mulheres não querem amar? A vendedora R.R*., 58 anos, não perdeu as esperanças e ainda procura encontrar um companheiro para compartilhar alegrias e problemas. Mesmo depois de dois casamentos frustrados - um terminou por traição e outro, por tortura psicológica - ela continua acreditando no amor, mas aprendeu que o sentimento fica diferente.





R.R. tem dois filhos adultos, um deles casado, e percebe bem as diferenças de sua geração e a dos dias atuais. "Hoje as pessoas são mais pé no chão. A gente pensava que casamento era para a vida toda, vocês não, têm outros projetos de vida mais sólidos. Aliás, se olharmos bem, a gente não pensava como ia ser o futuro. Apenas vivíamos o presente", relembra. Para ela, o amor se resume a companheirismo e amizade. "Na nossa idade, a solidão é muito grande, principalmente depois que os filhos crescem", conta.



Segundo ela, para um amor dar certo, é preciso ter admiração pelo outro em todos os campos da vida. A receita é ver menos os defeitos e valorizar as qualidades. "Muita cobrança destrói tudo", afirma. Para R.R, o grande número de separações hoje se deve à imaturidade. "A vida é tão simples. O problema é que a gente quer sempre muito do outro", filosofa.






O que você faria por amor?





Elas ainda acreditam no amor e já fizeram muitas coisas por ele. A jornalista Juliana Resende, por exemplo, se separou de um rapaz em nome do sentimento que nutria por ele. "Se ficasse com ele, não iria dar certo. Nem eu, nem ele seríamos felizes. Desisti de um amor para deixá-lo viver", relembra. E a gerente de marketing Alessandra Orrico perdoou uma traição por amor.





R.R. não teve o mesmo posicionamento de Alessandra. No entanto, afirma que poderia ter feito muito mais. "Não perdoei uma traição e fiquei com muita mágoa. Não me senti frustrada por isso, mas acho que faria diferente", afirma.






Mesmo com todas essas experiências, alegrias e frustrações, elas garantem que todo esforço e desprendimento vale a pena. "Ah, amor é tudo na vida de uma pessoa. Ninguém pode viver sem amor", suspira R.R..




É, definitivamente elas ainda querem amar!
  1. quanto buques maravilhoso e isso ai galera casa mesmo isso ebooooooooooom!!!!!!!!!!!!

Postar um comentário

Deixe seu comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...